A Alma da Festa em São Paulo

aalmadafesta, capa

Amigos que estão em São Paulo: convido-os a descolarem as bahookies das cadeiras nesta próxima segunda (dia 9), e a virem para o lançamento do meu romance “A Alma da Festa”.

É na Livraria Cultura do Conjunto Nacional, a partir das seis e meia da tarde – mas se for mais fácil podem passar lá pelas oito ou mesmo nove e tanto, que ainda vou estar lá, provavelmente com dor de cabeça de tanto pensar no que por nas dedicatórias.

É o primeiro livro que publico em nove anos. Escrevi a primeira versão em 2006/2007. Mas sentia que o final estava errado; deixei o livro parado e em 2011/2012 reescrevi a segunda metade inteira, dando um final que me satisfaz mais.

Estou orgulhoso do livro as it stands.

aalmadafestarealejo

Eis a história (com um pequeno SPOILER no final do parágrafo):

João Maximiliano de Juquinha-Fortescue, 8º Barão de Guisnay vel Quisney, último representante dos Juquinha-Fortescue e descendente direto da Rainha Boadicéia, contrata um detetive para encontrar um amigo desaparecido quarenta anos atrás. Aos poucos, tanto o Barão quanto o detetive descobrem coisas espantosas sobre Orlando, esse amigo desaparecido: que tinha uma fortuna de origem inexplicada; que era amigo de literalmente metade de todas as pessoas do mundo; e que era, enfim, a reencarnação de um antigo Deus Egípcio do Charme.

O Barão apura que Orlando renasceu em São Paulo, que agora se chama César, e que ele não tem memória nenhuma do Barão, nem de quem ele próprio foi ou do que fez. Pior que isso tudo, não tem nada do charme de antes. É uma criatura triste, tímida e desajeitada – como o próprio Barão.

Saudoso do amigo, o Barão insiste em fazer com que César recupere a memória e o charme. César também quer desesperadamente que isso aconteça: nada o agradaria mais do que se livrar do próprio desajeitamento social e voltar a ser o Deus Egípcio do Charme. Mas, no fundo, desconfia que o Barão seja um maluco qualquer, e que nenhum Orlando jamais tenha existido.

Você pode ler o primeiro capítulo aqui.

E se não puder ir no lançamento pode comprar online, aqui e aqui.

É isso. Espero que gostem, meus pequenos chuckaroos.

E cá entre nós espero que não demore outros nove anos até o próximo romance (vamos ver; mas já estou pensando numa possível história).