Yves Hublet – Um Paladino que Retorna?

O primeiro conto do Twice-Told Tales de Nathaniel Hawthorne é sobre um misterioso senhor barbudo, cheio de autoridade natural e carregando uma bengala, que aparece sempre que o povo da Nova Inglaterra precisa dele.

“Who is this gray patriarch?” asked the young men of their sires.

…the old man grasped his staff by the middle and held it before him like a leader’s truncheon.

“Stand!” cried he.

The eye, the face and attitude of command, the solemn yet warlike peal of that voice — fit either to rule a host in the battle-field or be raised to God in prayer — were irresistible.

“Are you mad, old man?” demanded Sir Edmund Andros, in loud and harsh tones. “How dare you stay the march of King James’s governor?”

And who was the Gray Champion? (…) I have heard that whenever the descendants of the Puritans are to show the spirit of their sires the old man appears again. (…) And when our fathers were toiling at the breastwork on Bunker’s Hill, all through that night the old warrior walked his rounds.

Há figuras assim em todos os países. Em Portugal foi o Velho do Restelo, que fez várias aparições públicas desde o início da crise em 2008.

*****

E este é Yves Hublet, escritor, que em 2005 deu bengaladas no cocoruto de José Dirceu:

hublet

Duas na cabeça e uma nas costas, segundo a Wikipédia.

Não foi um dos grandes momentos da história do país? Pois foi. (É verdade que o Brasil não tem lá muitos grandes momentos; afinal este é o país em que o equivalente à guilhotina ou ao assassinato de Kennedy foi o Carlos Lacerda tomando um tiro no pé.)

Se dependesse de mim, haveria estátuas desse senhor pelo país todo – dando bengaladas, claro, mas também lendo quadrinhos da Disney (além dos seus próprios livros, Hublet foi autor de duas histórias da Disney brasileira, “A Torta Certa” e “O Materializador de Desejos”). E pelo menos a sua bengala devia estar numa redoma em algum museu – nossa Durendal, nossa Joyeuse, nossa Excalibur.

Muito bem, senhores. Diz a História que o sr Hublet morreu em 2010. Nunca acreditei nisso; tive sempre uma teoria, que não queria expor ao mundo antes de ter suficientes provas iconográficas.

Pois agora tenho essas provas, e a teoria é esta: o sr Hublet é um herói mítico que, desde o Descobrimento, sempre aparece em momentos de crise da História Nacional.

Riem? Me acham maluco? Com gargalhadas afetadas e sem tirar as piteiras das bocas, me pedem provas? Pois tomem provas.

Este é um quadro de Pedro Américo representando a Batalha do Avaí, na qual, com muita dificuldade, vencemos os paraguaios em 1868. (Volto depois da imagem, comendo bis.)

hublet - batalha de avaí, pedro américo

É impossível negar que esse seja Yves Hublet, liderando a carga num dos nossos momentos de maior dificuldade!

Aqui, também de Pedro Américo, a Batalha de Campo Grande (1869):

hublet inteiro, pequeno-pedro_americo_batalha_de_campo_grande_1871

Esperem que já amplio, e verão Yves Hublet surgindo de uma neblina mística:

hublet cropped -pedro_americo_batalha_de_campo_grande_1871

Aqui a Passagem do Chaco, de 1871:

passagem do chaco amplo111 hublet

hublet - passagem do chaco, pedro américo

Hublet de novo, apontando o caminho – com a bengala quiçá escondida no poncho!

Em 1888, quem é que Victor Meirelles registrou num canto do seu “A Abolição da Escravatura”?

Victor_Meirelles111_-_hublet Abolição_da_Escravatura

Em 1879, Pedro Américo pintou Hublet num momento de merecido descanso:

hublet momento repouso

E, finalmente, esta imagem estarrecedora, tirada quando José Dirceu e José Genoíno ouviam as suas sentenças:

Dirceu-e-Genoíno hublet no fundo11

Eu mesmo não quis acreditar quando vi essa foto num jornal online, mas levei o laptop à ponta do meu nariz romano para enxergar direito e, meus caros, dei um berro!

Não pode haver dúvidas depois disso. Que Yves Hublet voltará sempre que precisarmos, é um fato. Resta só nos perguntarmos se, quando o momento pedir, nos juntaremos a ele numa guerra santa de bengaladas – ou se, como sempre, continuaremos sentados de cueca sendo maldosinhos no twitter.

Hublet: um bravo homem e um magnífico senhorzinho batuta.

Hublet: um bravo homem e um senhorzinho batuta.

Anúncios